Meio-ambiente – Programa de Monitoramento de Ruídos – São Paulo Aeroportos | GovESP

Programa de Monitoramento de Ruído

Meio Ambiente

Um dos maiores impactos relacionados à implantação de aeroportos é o ruído aeronáutico, sendo este fator determinante na alteração da qualidade de vida da população que vive ou exerce alguma atividade nas proximidades dos aeroportos.

Com o aumento no movimento operacional dos aeroportos e o crescimento dos municípios, o DAESP, consciente que o ruído aeronáutico pode produzir efeitos indesejáveis na população, e que o município tem dificuldade em disciplinar o uso do solo no entorno dos aeroportos, busca reduzir esse impacto através do monitoramento do ruído, com base na legislação aeronáutica vigente. De acordo com o artigo 43 do Código Brasileiro de Aeronáutica (Lei Federal n° 7.565/1986), “As propriedades vizinhas dos aeródromos…estão sujeitas a restrições especiais”, as quais são especificadas pela autoridade aeronáutica, mediante aprovação do Plano de Zoneamento de Ruído, que deverá ser incorporado pelo Município, em forma de lei, para a efetiva gestão e controle do uso do solo no entorno dos aeroportos. O Regulamento Brasileiro da Aviação Civil – RBAC n° 161/2011 estabelece as diretrizes para elaboração de Planos de Zoneamento de Ruído, visando definir o uso do solo compatível com o nível de ruído identificado pelas curvas de ruído.

Plano de Zoneamento de Ruído de Aeródromo – PZR tem como objetivo representar geograficamente a área de impacto do ruído aeronáutico decorrente das operações nos aeródromos e aliado ao ordenamento adequado das atividades situadas nessas áreas, ser o instrumento que possibilita preservar o desenvolvimento dos aeródromos em harmonia com as comunidades localizadas em seu entorno. As curvas de ruído são elaboradas por meio de simulações computacionais elaboradas pelo programa Integrated Noise Model – INM, para um mix de aeronaves de acordo com uma previsão de demanda planejada. A simulação considera além do modelo das aeronaves, o número de movimentos de cada aeronave, em média diária, divididos em movimentos diurnos e noturnos, dados técnicos operacionais (rotas, procedimentos de pouso e decolagem), dados de condições atmosféricas e características técnicas do Aeroporto.

As curvas elaboradas são incorporadas aos Planos Diretores e aos Planos de Desenvolvimentos Aeroportuários, que são os documentos norteadores da expansão da infraestrutura aeroportuária, apresentando diretrizes para o uso e a ocupação do solo no entorno do sítio aeroportuário, cabendo à Administração Municipal fiscalizar e restringir a implantação de empreendimentos nas proximidades dos sítios aeroportuários

Projeto 3.1 - 'Run Up' Jundiaí

Com o crescimento da aviação executiva no país, o aeroporto de Jundiaí ganhou devida importância por sua proximidade com a cidade de São Paulo. Neste intuito, novas empresas de aviação executiva se instalaram no aeroporto construindo seus hangares e oficinas de manutenção. As oficinas de manutenção de aeronaves fazem uma avaliação detalhada do motor acoplado na aeronave, com a potencia máxima, durante 5 a 10 minutos, provocando ruído que pode se transformar em incômodo sonoro para alguma atividade que esteja localizada nas proximidades do aeroporto.  Para tanto, foram realizados estudos  para determinar a melhor localização de uma barreira acústica (Ground run-up enclosure – GRE), destinada a minimizar o incômodo sonoro gerado pelos testes.  O projeto levou em consideração os níveis de ruído gerado pelas aeronaves no aeroporto de Jundiaí, a direção predominante dos ventos, a temperatura, a topografia  e o uso e ocupação do solo no entorno do sítio aeroportuário. Decidiu-se pela localização próxima à cabeceira 35, com dimensões de 75 m de comprimento por 10 m de altura, com o posicionamento da aeronave em teste, no sentido longitudinal da área. Para comprovar a eficácia da barreira acústica foram realizadas 3 campanhas de monitoramento de ruído nos pontos sensíveis no entorno do aeroporto: conjunto residencial, Escola Técnica Benedito Storani e Instituto Agronômico, comprovando a diminuição do nível de ruído dentro dos padrões aceitáveis, de acordo com a NBR 10.151.

Secretaria dos Transportes e Logísica do Estado de São Paulo © Todos os direitos reservados. 2019.
Close Search Window